CONSTRUINDO RELAÇÕES ÉTICA E SOLIDÁRIA ENTRE O CAMPO E CIDADE

Minha foto
A Rede Bragantina de Economia Solidária Artes & Sabores é constituída por 15 (quinze) empreendimentos associativos, atuantes em quatros municípios do Território Nordeste Paraense. Essa Rede tem como entidade de apoio e fomento, a Escola de Formação Para Jovens Agricultores de Comunidades Rurais Amazônicas - ECRAMA e o Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará – CEDENPA, que desenvolvem atividades de educação formal profissionalizante, educação não formal e continuada quanto ao Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais. Esta organização trabalha com princípios e práticas da Economia Solidária, tendo como objetivo: DESENVOLVER E FOMENTAR AÇÕES COLETIVAS DE PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E CONSUMO CONSCIENTE, COM HOMENS E MULHERES DO CAMPO E DA CIDADE, VALORIZANDO OS SABERES E A CULTURA DOS POVOS DO BIOMA AMAZÔNICO.

SEGUIDORES

sábado, 26 de julho de 2014

OFICINA DE ÓLEOS VEGETAIS E PLANTAS MEDICINAIS

Neste sábado, 26 de Julho, encerramos uma  etapa da Oficina sobre ÓLEOS VEGETAIS E PLANTAS MEDICINAIS: conhecimento tradicional, biodiversidade e produção, organizada pelo grupo de mulheres da Associação Campo Cidade Transformar, Agregar Valores e Vida – ATAVIDA, empreendimento associativo da Rede Bragantina de Economia Solidária Artes & Sabores.
Durante seis meses, o Centro de Estudo e Defesa do Negro do Pará – CEDENPA e o Centro de Educação e Desenvolvimento Integrado na Amazônia – CEDIAM, entidades de apoio da Rede Bragantina, construíram o diálogo para realização desse importante evento, em apoio ao trabalho que há seis anos está sendo realizado por mulheres de comunidades tradicionais,para cura de doenças, tendo por base saberes ancestrais no uso de plantas medicinais.
A realização dessa oficina culminou com aprovação de um projeto de patrocínio apresentado à OSCIP Moradia e Cidadania - coordenação Pará; e a colaboração da doutora Terezinha de Jesus Soares dos Santos, diretora do Instituto Tumucumaque do Estado do Amapá, e membro do Instituto de Mulheres Negras – IMENA.
Entre tantas, a riqueza dessa oficina foi a valiosa troca e vivencias de saberes tradicionais entre as participantes junto com a dra Terezinha,que afirmou, a importância do conhecimento como instrumento de desenvolvimento, apresentando as técnicas desenvolvidas no trabalho que coordena em Macapá, e orientando na prática, a produção de tintura, extrato, xarope, diluição, etc.
Presente neste evento, o Coordenador Estadual da Moradia e Cidadania, Sr. Joaquim Sacramento da Silva, falou sobre a importância do trabalho em Rede, como caminho para a solidariedade com os mais empobrecidos, expressando nesta poesia seu sentimento sobre o trabalho da Rede Bragantina.
Na Rede Solidária, os fios formam o todo,
Não há lugar pra engodo; a ação é libertária.
A Rede fica forte,com fios todos unidos;
Ninguém fica banido, penando até a morte.
Tem causa humanitária, lutando contra o rodo;
da frente sanguinária.
Tecendo nova sorte, ao povo mais sofrido;
fazendo luz no Norte
Joaquim Sacramento.

25/07/2014



fonte arquivo CEDIAM - grupo participante

fonte arquivo CEDIAM - praticas da oficina

fonte arquivo CEDIAM - atividade teórica



fonte arquivo CEDIAM - praticas da oficina






domingo, 20 de julho de 2014

OFICINA EXTRAÇÃO ÓLEOS

No período de 24 a 26 de julho o Centro de Educação e Desenvolvimento Integrado na Amazônia – CEDIAM, e o Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará – CEDENPA, entidades de apoio da Rede Bragantina de Economia Solidária, estarão promovendo a I Oficina de Extração de Óleos: Fitoterápico Artesanal.
Esta oficina tem o patrocínio da OSCIP Moradia e Cidadania, e será ministrada sob a orientação da dra.Terezinha de Jesus Soares dos Santos – Teca,  diretora do Instituto Tumucumaque.
Com objetivo de resgatar e valorizar o saber tradicional, que se transmitia entre gerações, com uso de plantas medicinais na cura de doenças, desde 2008 o CEDIAM e o CEDENPA, desenvolvem com o grupo de mulheres da comunidade quilombola da Pimenteira um trabalho de saúde popular e sensibilização das famílias comunidade,para proteger espécies em vias e desaparecimento,incentivando o preparo de produtos à base de plantas medicinais, paraatendimento gratuito as famílias da comunidade da Pimenteira e outras de seu entorno.
Alguns produtos: garrafada, pomada, tintura, ervas secas (unha de gato, verônica, barbatimão), óleos de andiroba, coco, cumaru, etc, são comercializados, na loja da Rede Bragantina, e na Feira do Produtor Orgânico, em Belém; dando possibilidade aos consumidores da capital do estado o acesso a esses produtos.
O potencial de plantas encontradas na Amazônia para extração de óleos está restrito ao domínio de empresas que exploram com finalidade de produção de cosméticos.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

NARCISA, RECONHECIDA PELO INCRA COMUNIDADE QUILOMBOLA

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) publicou portaria no Diário Oficial da União desta terça-feira (15), reconhecendo como terras das comunidades remanescentes de quilombos áreas de três estados brasileiros.
No Ceará, na cidade de Croatá e Ipueiras, o Instituto reconheceu uma área de mais de 2.9 mil hectares como terra da comunidade Três Irmãos. Já em Treze de Maio (SC) uma área de 30 ha passou a ser da comunidade Família Thomaz. Capitão Poço, cidade do estado do Pará, também teve uma área  de 618 ha declarada como terra da comunidade remanescente de quilombos Narcisa.
O processo de reconhecimento de uma terra para os quilombos é considerado por representantes do governo e de movimentos sociais uma das principais medidas de resgate cultural e de autossuficiência dessas famílias que dependem, basicamente, de atividades econômicas agrícolas e de pesca e artesanato.

Como funciona o reconhecimento e titulação da terra

segunda-feira, 14 de julho de 2014

VALORIZANDO OS SABERES TRADICIONAIS: EXTRAÇÃO DE ÓLEOS PARA FINS MEDICINAIS



Nesta segunda feira, 14 de Julho foi assinado Termo de Parceria entre a OSCIP MORADIA E CIDADANIA – Pará e a OBRAS SOCIAIS DA DIOCESE DE BRAGANÇA, com objetivo de dinamizar as atividades de extração de óleos e produção de Fitoterápicos Artesanal do Grupo de Mulheres da Associação Campo Cidade Transformar, Agregar Valores e Vida – ATAVIDA, ampliando as práticas de produção de óleos extraídos para fins medicinais.
A oficina terá como facilitadora a doutora Teresinha de Jesus, e como publico beneficiário grupos de mulheres dos empreendimentos associativos integrantes da Rede Bragantina de Economia Solidária Artes & Sabores.  
A expectativa desses grupos de mulheres das comunidades tradicionais do Território Nordeste Paraense, é que através dessa capacitação, possam manipular um maior número de produtos, com mais qualidade, contribuindo para aumento da renda familiar. Da mesma forma a Rede Bragantina passa a ter um maior elenco de produtos fitoterápicos para oferecer nos ponto de comercialização: loja - ponto fixo da Economia Solidária e Feira do Produtor Orgânico


Estudos técnicos revelam que “os óleos essenciais exercem influência no corpo e na mente.

domingo, 13 de julho de 2014

FEIRA DE SANTA MARIA DE 17 À 20 DE JULHO 2014



TODOS/AS ESTÃO CONVIDADOS/AS, para a  21ª FEICOOP – Feira de Santa Maria “Uma Experiência Aprendente e Ensinante” e   10ª Feira Latino  Americana  de Economia Solidária, um dos maiores Eventos da  América  Latina , em Santa Maria, RS, Brasil.
Desde 1994, realizam-se estes importantes eventos do Cooperativismo e da Economia Solidária, em Santa Maria, a Capital  Mundial da Economia Solidária e do Cooperativismo Autogestionário como “O Maior Evento da Economia Solidária  da América Latina.

É um grande espaço de articulação, debate, troca de idéias, experiências de Comercialização Solidária Direta dos Empreendimentos Solidários da Economia Solidária, da Agricultura Familiar Camponesa, das Agroindústrias Familiares, dos Catadores/as, dos Povos Indígenas,dos Trabalhadores/as do Campo e da Cidade, na Metodologia Autogestionária, do Fórum Social Mundial e na construção de “Um Outro Mundo Possível”

sexta-feira, 11 de julho de 2014

REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DA REDE BRAGANTINA

Aconteceu na comunidade remanescente de quilombo de Jacarequara, com a participação ativa dos moradores dessa comunidade e  representantes das organizações membro. Questões encaminhadas:
Na semana Nacional da Consciência Negra, a Rede Bragantina realizara suas comemorações do Ano Internacional da Agricultura Familiar.
As associações que aguardam o inicio das construções das casas do programa Minha Casa Minha Vida, debateram estratégias de acompanhamento.
Também há grande tensão fundiária na comunidade de Jacarequara, que em 2008 teve parte de sua área titulada, com promessa de que o Instituto de Terras do Pará - ITERPA iria indenizar os moradores externos, para devolver a terra dos ancestrais à associação, mas até agora isso não aconteceu,  a venda dessa terra, e a derrubada da floresta para ocupação com pasto, está destruindo a única reserva de mata existente no Jacarequara.




REVISTA SOBRE ALIMENTOS AGROECOLÓGICOS E ORGÂNICOS



Lançada esta semana, a terceira edição da revista Ideias na Mesa traz como tema os alimentos orgânicos e agroecológicos. A reportagem apresenta um panorama sobre o crescimento do cultivo e do consumo desses alimentos no Brasil. A edição traz a perspectiva de que o país, a exemplo do que ocorre no mundo, conta com um público consumidor cada vez mais exigente no que se refere a alimentos seguros e saudáveis, ao mesmo tempo em que ainda persistem mitos sobre o modo orgânico de produção, tido muitas vezes como caro e elitizado.
Acesse a versão eletrônica da revista Orgânicos para todos

domingo, 6 de julho de 2014

ASSEMBLÉIA COOPERATIVA COOMAR

Neste Domingo, 06 de Julho, a Cooperativa Mista dos Agricultores entre os Rios Caeté e Gurupí-COOMAR, realizou sua assembleia ordinária. Uma data importante para os associados, que também comemoravam 18 anos de sua fundação da COOMAR. Na ocasião desta assembleia foi eleita a nova diretoria e membros do conselho fiscal. Os 29 associados presentes participaram e debateram a prestação de conta do primeiro quadrimestre 2014. E elegeram a diretoria que estará à frente da administração para os próximos dois anos. PARABÉNS E BOM TRABALHO A TODOS(AS)
Diretores eleitos - Fonte COOMAR

Diretoria e Conselho Fiscal da cooperativa - Fonte COOMAR

  


A Cooperativa Mista dos Agricultores Entre os Rios Caeté e Gurupi – Coomar, fundada em 1996, tendo como estratégia de trabalho o apoio e fortalecimento da agricultura familiar  da Região Bragantina.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, PORQUE TER MEDO



O decreto presidencial nº 8.243, de 23 de maio de 2014, criando Conselhos Populares, objetivando o aperfeiçoamento do instrumental de apoio ao Poder Executivo para a implementação de uma Política Nacional de Participação Social, e para tanto criando um Sistema Nacional de Participação Social, é um passo importante, altamente positivo, no sentido de ampliar as práticas de democracia participativa na sociedade brasileira. Na realidade, essa iniciativa deverá contribuir significativamente para que se dê efetividade ao disposto no parágrafo único do artigo 1º da Constituição, segundo o qual todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente. Numa rápida visão retrospectiva, é oportuno lembrar que no século dezoito, como resultado das revoluções burguesas, foi proclamado o objetivo da implantação de sistemas democráticos, com sistemas governamentais em que o povo é o titular do poder político. Esse foi o primeiro passo para dar ao po vo um papel positivo nas decisões fundamentais de seu governo.

Pela impossibilidade prática de obter a participação direta e imediata do povo em grande número de decisões de seu governo acabou prevalecendo a democracia representativa, na qual a vontade popular deveria ser manifestada por meio de representantes eleitos. Entretanto, ocorreu uma importante evolução, criando-se novos instrumentos de participação popular nas decisões governamentais, consagrando-se o plebiscito e o referendo como veículos de expressão da vontade do povo, convivendo com as instituições representativas. Mais recentemente, com a criação e o aperfeiçoamento de novos meios para a obtenção da vontade do povo surgiu a democracia participativa.

ISENSÃO DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO DA ANVISA



A presidenta da República, Dilma Rousseff, sancionou no último dia 23/6 (segunda) a lei que garante ao agricultor familiar, ao Microempreendedor Individual (MEI) e ao empreendedor da Economia Solidária a isenção do pagamento da Taxa de Fiscalização de Vigilância Sanitária da Anvisa. A medida está no artigo 18 da lei 13.001/14, publicada no Diário Oficial da União.
De acordo com o artigo, os três tipos de empreendedores não precisam mais pagar as taxas para regularizar suas empresas e produtos na Agência. A medida é resultado do programa Inclusão Produtiva com Segurança Sanitária, da Anvisa, que faz parte do programa Brasil Sem Miséria, do Governo Federal.


A proposta é de que as ações de vigilância sanitária sirvam como alavanca e suporte ao empreendimento familiar rural,

I MODULO CURSO AGROECOLOGIA E CIDADANIA 2019

De 18 a 22 de Março, a escola ECRAMA realizou o primeiro módulo do curso Agroecologia e Cidadania. Na IV edição deste curso, participam ...