CONSTRUINDO RELAÇÕES ÉTICA E SOLIDÁRIA ENTRE O CAMPO E CIDADE

Minha foto
A Rede Bragantina de Economia Solidária Artes & Sabores é constituída por 15 (quinze) empreendimentos associativos, atuantes em quatros municípios do Território Nordeste Paraense. Essa Rede tem como entidade de apoio e fomento, a Escola de Formação Para Jovens Agricultores de Comunidades Rurais Amazônicas - ECRAMA e o Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará – CEDENPA, que desenvolvem atividades de educação formal profissionalizante, educação não formal e continuada quanto ao Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais. Esta organização trabalha com princípios e práticas da Economia Solidária, tendo como objetivo: DESENVOLVER E FOMENTAR AÇÕES COLETIVAS DE PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E CONSUMO CONSCIENTE, COM HOMENS E MULHERES DO CAMPO E DA CIDADE, VALORIZANDO OS SABERES E A CULTURA DOS POVOS DO BIOMA AMAZÔNICO.

SEGUIDORES

quarta-feira, 25 de abril de 2018

25 DE ABRIL, DIA DE LIBERDADE PELO MUNDO


Hoje, 25 de Abril, para a os brasileiros é um normal dia da semana, mas, neste dia vários acontecimentos marcaram a história de países ao redor do mundo.

Para Portugal e Itália, hoje é feriado, dia onde se celebra a liberdade, a força do povo que junto se opõe a opressão, aos abusos do poder, a falta de democracia e respeito. Hoje a lembrança destes eventos deve continuar, para as pessoas nunca se esquecer que é só juntando as forças que se pode mudar o destino do país.

Na Itália se celebra o dia da “Liberazione” isso é, a liberação do país das tropas do exército nazi-fascista e do regime fascista. Neste dia do 1945 o Comitê de Libertação Nacional da Itália Superior proclamou a insurreição geral em todos os territórios ainda ocupados pelos nazi-fascistas, indicando a todas as forças “partigiane” ativas no norte da Itália que fazem parte do Corpo Voluntário de Liberdade atacar os fascistas e alemães impondo rendição, dias antes da chegada das tropas aliadas.
25 abril 1945 - Povo pela rua comemorando a liberação do opressor 

Era um 25 de Abril do 1974 quando no Portugal um movimento militar lidera a revolução contra a ditadura de Marcello Caetano e depôs o regime ditatorial do Estado Novo. Falta de liberdade, pobreza e quase vinte anos de guerra sem resultados nas colônias africanas são só algumas das motivações desta revolução. O cravo vermelho tornou-se o símbolo da Revolução de Abril de 1974. Segundo se conta, foi uma moça Celeste Caeiro, que trabalhava num restaurante na Rua Braancamp de Lisboa, que iniciou a distribuição dos cravos vermelhos pelos populares que os ofereceram aos soldados. Estes colocaram-nos nos canos das espingardas. Por isso se chama ao 25 de Abril de 74 a "Revolução dos Cravos
Soldados português com cravo na espingarda em sinal de libertação do regime ditatorial

Os Católicos lembram
o 25 de abril do ano 387 d.C. quando Santo Agostinho foi batizado pelo Santo Ambrósio, bispo de Milão.

Os franceses hoje celebram o aniversário de “La Marseillaise”, famosíssimo hino nacional composto em 1792, por Claude Joseph Rouget de Lisle.

Sempre no 1945, cinquenta nações se reúnem em São Francisco para iniciar a Conferência das Nações Unidas sobre Organização Internacional.

No 25 de abril de 1982 Israel devolve ao Egito o controle da península de Sinai após 15 anos de ocupação e ainda no 1990 Violeta Chamorro é empossada como nova presidente da Nicarágua, tornando-se a primeira mulher a ocupar esse cargo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

I MODULO CURSO AGROECOLOGIA E CIDADANIA 2019

De 18 a 22 de Março, a escola ECRAMA realizou o primeiro módulo do curso Agroecologia e Cidadania. Na IV edição deste curso, participam ...